real estate company logo
javporn
Home Imprensa Notícias Com enfoque em saneamento básico, Agenersa realiza novo ciclo de palestras
Com enfoque em saneamento básico, Agenersa realiza novo ciclo de palestras

Durante o evento, presidente da agência fluminense comunicou que a PGE-RJ ingressou com ação contra lei de fusão dos entes reguladores de energia, saneamento e transportes

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE-RJ) ingressou com uma ação de inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça contra a lei que extinguiu a Agenersa. A informação foi divulgada durante ciclo de palestras sobre regulação realizado para funcionários da agência na manhã dessa quarta-feira (03/04), quando três especialistas apresentaram seus pontos de vista sobre a regulação do saneamento básico no Brasil.

O conselheiro-presidente José Bismarck Vianna de Souza falou sobre a repercussão da promulgação da Lei nº 8.344, de 01 de abril de 2019, que cria a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado do Rio de Janeiro (ARSERJ), com a fusão da Agenersa e Agetransp. A lei foi publicada pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no dia 02 de abril, seis dias após os deputados rejeitarem veto do governador Wilson Witzel. “A lei funde a nossa agência com a Agetransp e ainda trouxe outro ente, que é o Detro, que fiscaliza os transportes no Estado do Rio. Essa decisão da Alerj está ocasionando insegurança jurídica a todas as concessionárias que são reguladas pela Agenersa e pela Agetransp. É um projeto que vai na contramão de tudo que tem sido feito no Brasil, que é separar transporte de saneamento e de energia, ainda mais no Estado do Rio, onde somos a segunda maior concessão em número de consumidores de gás canalizado do Brasil. A PGE já ingressou com uma ação de inconstitucionalidade perante o Tribunal de Justiça por vício de iniciativa já que a criação de cargos e despesas é de iniciativa do chefe do Poder Executivo”, comunicou o conselheiro-presidente da Agenersa, José Bismarck Vianna de Souza.

Medidas provisórias 844 e 868

Em mais um ciclo de palestras sobre regulação agendado pelo CODIR dentro das propostas da agência para as metas dos 100 primeiros dias do Governo Wilson Witzel, a Agenersa recebeu três especialistas que falaram sobre saneamento básico. A pauta do encontro teve um ponto em comum: desafios, vantagens e problemas gerados a partir das Medidas Provisórias (MP) 844/2018, que perdeu sua eficácia, e MP 868, de 27 de dezembro de 2018, que atualiza o marco legal do saneamento básico e altera, dentre outras, a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, para atribuir à Agência Nacional de Águas (ANA) competência para editar normas de referência nacionais sobre o serviço de saneamento.

A primeira palestrante foi a procuradora da Agenersa Flavine Metne Mendes, cuja palestra teve como tema “Saneamento básico - desafios na gestão pública”. “A MP é constitucional ou não? Norma de referência nacional é o mesmo que dizer que são diretrizes gerais, elas têm a mesma natureza? São perguntas que se faz. Se se entender que sim, por esse ângulo é constitucionalidade que a ANA ditaria as normas de referência nacional, daria o caminho a seguir”, assinalou.

O diretor administrativo e financeiro da Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (ARES-PCJ), Carlos Roberto de Oliveira, falou sobre os problemas a serem enfrentados pelas agências reguladoras municipais no ambiente metropolitano “A questão da regulação nas regiões metropolitanas me preocupa bastante, porque é um assunto que sempre volta à tona. Tanto na MP 844 quanto na MP 868 o assunto vem à discussão. No artigo 8º diz que a titularidade dos serviços é municipal, porém, no 8ºC diz que, dentro do ambiente metropolitano essa titularidade recebe uma natureza especial, que é a ideia da titularidade compartilhada, ou seja, eu não tenho condições de exercer com plenitude as minhas prerrogativas”, disse.

O último convidado do ciclo, realizado no Auditório da Agenersa, foi Cássio Leandro Cossenzo, superintendente de Estudos Econômicos e Fiscalização Financeira da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa). “A MP 868 cobra muita qualidade da regulação. Para atender aos anseios da sociedade, a análise de impacto regulatório, AIR, é um instrumento fantástico para isso, que é um conceito que está dentro do Guia de Diretrizes Gerais da Casa Civil da Presidência da República. O AIR é um dos principais instrumentos voltados para melhoria da qualidade regulatória, que consiste em um processo sistemático de análise, baseado em evidências que busca avaliar a partir de um problema regulatório os possíveis impactos das alternativas de ação disponíveis para o alcance daqueles objetivos pretendidos”, afirmou Cássio.

Estiveram presentes ao evento os conselheiros Silvio Santos, José Carlos Araújo e Luigi Troisi, que é o coordenador do ciclo de seminários e palestras promovido pela Agenersa. Também participaram os gerentes da CASAN, Oldemar Guimarães, e da CARES, Roosevelt Brasil, além de funcionários da Agenersa, do Governo do Estado e das empresas reguladas pela agência.

Próximo convidado

No dia 10 de abril, das 10h às 12h, o ciclo terá como tema “Tempo seco ou separador absoluto: vantagens, desvantagens e desafios”. A palestra será de Paulo Canedo, PhD em Ciências do Meio Ambiente/Hidrologia pela Lancaster University, que fica no condado de Lancashire, noroeste da Inglaterra; professor do Programa de Engenharia Civil da COPPE da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ), ele é chefe do Laboratório de Hidrologia COPPE/UFRJ e consultor empresas públicas e privadas.

 

rodape.png

Fornecido por Designed by: Joomla 1.5 Template, what is a database storage. Valid XHTML and